Técnicas de arcadas

0 comentários




Se o aluno começa seus estudos técnicos logo no começo, seu domínio de arco se torna mais rápido, e suas dificuldades muito menores. Entre todos os estudos que fiz com os alunos que pude observar, posso afirmar com convicção que o que um aluno leva seis ou mesmo até sete anos para aprender numa metodologia normal, onde não há uma preocupação com a técnica, o aluno que tem contato com as técnicas desde o inicio aprende a mesma coisa e até muito mais em um ano e meio ou dois.

Quando me refiro às técnicas, estou me referindo as que dão a base para o aluno alcançar praticamente todos os golpes de arco usados para uma boa execução. Se você não tem noção ou nunca estudou técnica provavelmente deixará muito a desejar ou não conseguirá executar um concerto, que exija o mínimo de técnica, como por exemplo: Detaché, Soltiê, Staccato, Staccato volante, Spiccato, Cordas duplas, Acordes etc.

Com isso, quero deixar claro, que o estudo diário das técnicas e a disciplina para estudá-las é obrigatório para se formar um bom violinista que queira enfrentar o mercado de trabalho aqui no Brasil ou no exterior.

Você como aluno tem que entender que a cada técnica, arcada, escala, repertório, enfim, tudo o que estiver estudando, há um raciocínio lógico e um objetivo a ser alcançado, seria parecido com uma fórmula matemática, para depois de entendê-la, se sentir seguro e a vontade para calcular qualquer questão e resolver qualquer problema. Assim é o estudo do violino. Divida, multiplique, diminua e some. Quando aprender a fazer isso, Tocara qualquer coisa com muito mais facilidade e prazer do que possa imaginar.

Volto a frisar que a disciplina se faz importante. É necessário que se tenha organização. De nada adianta um estudo aleatório sem organização e raciocínio.

Pergunta: Quantas horas por dia devo estudar, e como faço para organizar meus estudos?
Resposta: A quantidade de horas que se deve estudar o violino está diretamente ligado ao seu interesse pelo instrumento e a sua vontade de aprender.

ORGANIZAÇÃO
Quanto à organização dos estudos, vou lhe responder da seguinte forma.
Faça de conta que você está entrando na minha sala de aula hoje, e vamos ter nossa primeira aula juntos. Para que você não fique perdido na hora de estudar o que peço, vou organizar seus estudos, vou dividi-los por partes, e explicar a você para que cada uma delas serve. Vamos começar dividindo seus estudos em quatro partes, que serão executadas todos os dias. Lembra do que falei sobre matemática?

Exemplo:
  1. Técnica de Arco + Golpes de Arco = Domínio de arco
  2. Escalas + Ritmo + solfejo = Afinação
  3. Método + técnica e escala = Execução
  4. Repertório x Tudo que estudou = Excelente violinista e professor feliz
Fácil não? Então vamos começar seus estudos, faça uma tabela se preferir, onde você dividirá seus estudos por partes, sendo elas:

Alongamento: Sempre faça alongamento antes de começar a estudar.

1.Domínio de arco: ( Lembre-se de manter o arco rente ao cavalete, nunca deixe que ele tenha uma trajetória torta entre o cavalete e o espelho.)

Comece com exercício em corda solta, puxando o arco bem devagar, do talão a ponta com sonoridade, seria interessante se você conseguisse cronometrar quantos segundos você leva para chegar do talão a ponta (e vice-versa) mantendo a sonoridade do instrumento. Tenha como meta, exatos 1 minuto. Faça isso até quatro vezes em cada corda todos os dias e não se stress querendo repetir os exercícios exaustivamente.

Golpes de Arco: Estude as técnicas de arco com metrônomo, estude sempre diante do espelho, que por sinal é um excelente professor. Não toque muitos compassos por dia (Principalmente se não está acostumado) EX: Dois compassos de técnica de colcheia, dois de técnica de colcheia com ligadura, quiáltera, e por ai vai. Não se esqueça de anotar onde parou e qual andamento estava o metrônomo.

Escalas: Estude as escalas sempre devagar escutando a afinação. No violino não existe milagre e sim regras e técnicas. Uma delas é a de que quanto mais devagar estudar, mais rápido irá aprender. Você pode começar fazendo quatro escalas maiores ( comece com um depois dois e vá até quatro sustenidos) Depois faça o mesmo com os bemóis

“O solfejo é muito importante e ajuda na afinação. Seria muito bom se antes de estudar qualquer música você a solfejasse. Isso ajuda e muito no desenvolvimento de uma leitura musical.”

2.Método: O estudo do método é feito sempre devagar e com metrônomo. Porém antes de tocar o exercício o aluno deve analisar o que vai estudar ex:
Tonalidade, Andamento etc. Geralmente num único exercício o número de informações é muito grande e no começo você pode sentir dificuldade em assimilar todas elas, meu conselho a você é “Não entre em pânico e tenha paciência com você mesmo”. O que vai fazer com que se aprenda bem o objetivo de cada exercício é o estudo devagar, com o tempo, esta leitura se torna automática, fazendo com que o instrumentista tenha um domínio completo de sua leitura.

3.Repertório: Faça o mesmo que fez no estudo dos seus métodos.
Um bom exercício para aprimorar sua leitura de notas é, quando estiver tocando uma nota olhe para a que vem em seguida, sempre antecipando seus olhos na nota seguinte. Com o tempo passe a ler duas notas adiante, depois três etc. mais não se esqueça de manter o andamento para não correr tentando acompanhar sua visão.

Bom, agora que organizamos seu estudo diário de violino, não aconselho que estude tudo de uma vez sem parar para descansar, pois ficará stressado, o estudo se tornara chato, doloroso, e o resultado pode não ser bom.

Faça o seguinte:
Separe seus estudos por minutos. Se você não está acostumado ao estudo diário de seu instrumento, ou seja, é daqueles que estuda meia hora antes de entrar para a sala de aula, não posso deixar de pensar em algumas coisinhas como:

Em Primeiro lugar, seu professor deve ser um “Santo” por deixar você fazer isso.
Segundo lugar, pelos meus cálculos, nesse ritmo você vai aprender alguma coisa de concreto no violino no dia de “São Nunca”.
Então, acho mesmo que você deve começar a estudar todos os dias.

TEMPO DE ESTUDO
Estude meia hora: faça o número 1 e 2 Descanse de dez a quinze minutos.
Estude mais meia hora: Faça o número 3 e solfeje a lição que vai estudar para a aula. Descanse novamente.
Estude meia hora de novo: Faça o número 4 devagar. Pare novamente para descansar.
(Uma boa dica que desenvolve bem a memória, seria você aos poucos ir tentando decorar o que toca. Comece com um compasso, depois tente decorar dois e assim vai).
Estude o numero 5 da mesma forma que estudou o número 4. e pronto, por hoje é só.

Pode ser que você estude mais ou menos do que meia hora, ou que não dê para fazer todos os exercícios de uma vez. Não tem problema, o importante é que estude tudo que precisa no dia. Amanhã comece tudo de novo até adquirir a disciplina necessária para o estudo do violino.

Garanto a você que o resultado é espantoso e suas dificuldades técnicas desapareceram com o tempo, para a alegria de seu professor.

Uma última coisa, o exemplo de estudo acima se refere ao aluno que já teve aulas de violino, se fosse um aluno iniciante, lógico que não poderia estudar dessa maneira. E também é lógico, que se o aluno já estuda o violino, as horas de estudos aumentaram de acordo com sua vontade. O ideal é que o aluno tenha uma disponibilidade satisfatória de seu tempo para se dedicar ao instrumento. O fator tempo é muito relativo, depende de cada um, pois sei que o que faz uma regra é a exceção, e no violino lhe damos com a exceção todos os dias. Cada um tem seu ritmo, e o mais importante neste caso é ter vontade, o resto acontece naturalmente.

* Texto de Patrícia Mello

Concluindo - O que a Mestra escreveu, não tem aplicabilidade somente no estudo do Violino. Este é um assunto da maior abrangência possível. Se seu  instrumento é de arco  e quiser seguir os sábios conselhos aqui mencionados, aonde se lê Violino, leia Viola, Cello ou Contrabaixo. Se seu instrumento for de corda tangida (Violão, Guitarra, Baixo Elétrico) raciocine com a mão do ritmo aonde se lê assuntos de arco. Piano, idem! Enfim, adapte o conteúdo deste texto a prática de seu instrumento e verá que a Mestra está certa.


Guia de Cordas

0 comentários





Pirastro Violino: Originalmente vendida como cordas para estudante, o seu preço, quando não proibitivo, não é tão insignificante. No entanto, de todas as cordas sintéticas, esta é provavelmente a mais doce. O que falta em projeção ela cobre em suavidade, doçura. Se você tem um instrumento que precisa de harmonia, ou está cheio de força, mas não tem um tom interessante, estas cordas valem à pena tentar.

Cordas ChromcorPirastro Crhomcor: Cordas de aço da Pirastro. Possuem um som brilhante e forte, e boa resposta às arcadas. É uma das primeiras opções dos violinistas pelo seu custo x benefício. Ideal para abrir o som de instrumentos novos.

D’Addario Zyex : As cordas D’Addario Zyex têm um brilho focado na qualidade e deve ser tocada por poucos dias antes de alcançar o seu melhor som. Alguns músicos acham mais difícil alcançar as notas do piano quando usando essas cordas.

D’Addario Pro Arte: As cordas D’Addario Pro Arte Soam escuras e suaves, são mais bem utilizadas em violinos com som claro, áspero.

D’Addario Helicore: Estas cordas de aço têm som quente, e como todas as cordas de aço, são de boa resposta. Elas mostram overtones interessantes quando comparadas às outras cordas de aço devido seu revestimento único.

Larsen (regular): As cordas Larsen são potentes e brilhantes, mas as cordas D e G tendem a perder sua qualidade Sonora rapidamente e de repentinamente. A corda A para viola é popular entre os violistas, no mais alguns instrumentos podem vir a ser muito agressivos. Cordas Larsen tendem a ser das mais caras na sua categoria.

Corelli Alliance Vivace : Estas cordas são baseadas em núcleo composto. Quando focada, também provém overtones ricos. Elas tendem a ser mais poderosas em termos de projeção que as cordas Obligato, se não doces também, enquanto não apresenta os “arranhões” que as Evah’s podem trazer para alguns instrumentos. Como as Dominants, elas trabalham bem na maioria dos instrumentos e tem boa durabilidade, longa vida. Também respondem muito rápido em todas as posições.

SuperSensitive Red Label: “Estas cordas totalmente metálicas que tendem a ser a preferida de ‘Fiddlers”. São comumente encontradas em escolas de música por causa de uma de suas três: são praticamente indestrutíveis. A outra virtude é que são muito baratas e a terceira virtude é que é muito apropriada pra “fiddling”, no entanto músicos eruditos não gostam destas cordas de som plano, britado, arranhado destas cordas especialmente nas mãos de novatos.
Jargar: Fina corda metálica, que possui calor como a supersensitive red label. Alguns violistas são devotos da corda Lá, por causa da habilidade em balancear com outras cordas. Alguns Celistas também apreciam esta corda.
 
Warchal Strings : O fabricante mais recente no mercado das cordas, seus produtos novos são excelentes. O jogo de cordas Ametyst é mais baixo em tensão e muito perto da sensibilidade e facilidade de execução comparada com a Eudoxa. O jogo Karneol tem a tensão maior, mas possui mais brilho e mais overtones. Ela é uma corda altamente ressonante com um longo alcance de cores e modulações. Projeta extremamente bem o som. O jogo Brilliant é como a nova corda de núcleo sintético como a Pirastro Obligato e Evah Pirazzi, mesmo com material e conceito diferente. Casada com o instrumento certo estas cordas oferecem brilho, com um som focado e redondo com muita ressonância. Apresentam grande durabilidade.
 
Cordas Mauro CalixtoMauro Calixtro: Cordas de núcleo sintético. Ao contrário do que muitos pensam, não são cordas de Perlon, e sim, são cordas de nylon. O Perlon é um Nylon especial, que é exclusivo da Dominant Infield. As cordas Mauro Calixtro são consideradas oito ou oitenta. Pois elas têm fácil resposta em todas as notas, e tem um som bem aveludado. Mas em contrapartida, joga o volume de som lá para baixo, às vezes parecendo um som abafado. Para quem não liga para som de baixo volume, são exelentes, ainda mais levando em conta seu custo x benefício. Das cordas baratas para viola e violoncelo, são a melhor opção.

FONTE: ATELIER DE VIOLINO

Tipos de Arcadas

0 comentários




Arcadas são técnicas de tocar o arco do violino, para obter diferentes sons do violino.

As Principais arcadas são:


  1. Detaché
  2. Collé
  3. Martellé
  4. Staccato
  5. Sautillé
  6. Ricochet
  7. Acordes


Dança Húngara N.5 - Brahms

0 comentários